Archive for junho \26\UTC 2013

Evento – Prêmio Victor Civita Educador Nota 10


Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10

O que é “Criado em 1998, o Prêmio Victor Civita Educador Nota 10 é a principal iniciativa da Fundação Victor Civita para a valorização do trabalho docente e a disseminação de práticas educativas de sucesso. Até 2012, eram escolhidos dez professores e um gestor escolar. Em 2013 teremos novidades. Agora, todos os 50 finalistas ganham uma assinatura das revistas NOVA ESCOLA ou GESTÃO ESCOLAR. Destes, serão escolhidos 20 trabalhos que vão ganhar, além da assinatura, um tablet. Por fim, serão escolhidos os 10 grandes vencedores, professores ou gestores, que, além dos outros prêmios, recebem 15 mil reais em dinheiro e participam da festa de gala realizada em São Paulo. O processo de seleção continua o mesmo: um grupo de renomados especialistas analisa cada um dos milhares de projetos inscritos a cada edição.” [Retirado daqui].

O que inscrever – “Experiências escolares que tenham sido realiza das e  concluídas entre os meses de fevereiro de 2012 e maio de 2013, sendo que cada participante poderá se inscrever apenas uma vez.” [Retirado daqui].

Período de inscrições – 06/05 a 07/07 de 2013

Acesse o regulamento da premiação, clicando aqui, para obter mais informações.

Jogo – Sistema Imunológico


 

Ainda “fuçando” o site da revista Nova Escola, encontrei um jogo de cartas sobre o funcionamento do Sistema Imunológico durante a invasão de um vírus na corrente sanguínea. Nele você aprende, principalmente, sobre a cadeia de reações imunes que levam à destruição dos vírus (macrófagos apresentando antígenos aos linfócitos T, produção de anticorpos pelos linfócitos B e etc).

Este jogo deve ser montado, ou seja, você deve baixar e imprimir as cartas para jogá-lo. Clique aqui para acessar o site.

Jogos – Aves do Brasil


No site da revista Nova Escola há uma parte dedicada ao ensino de Ciências. E foi justamente aí que encontrei 4 jogos muito interessantes sobre as aves brasileiras. Os jogos não são pesados e rodam em qualquer navegador, mas é necessária conexão com a internet. Abaixo fiz uma breve descrição de cada um, sendo que nos sites há mais instruções (clique nas imagens para jogá-los):

 

album virtualÁlbum virtual “As aves mais incríveis do Brasil – você escolhe, inicialmente, um álbum de figurinhas das aves de um dos 6 biomas brasileiros (Pantanal, Cerrado, Caatinga, etc). Para ganhar as figurinhas e completar o álbum, você deve responder a um quiz sobre as características de uma ave do bioma escolhido. Para cada resposta certa você ganha figurinhas. Este é um jogo para treiná-lo, inclusive como um “ornitólogo júnior”.

 

bico a bicoBico a Bico – neste jogo você escolhe uma carta com uma ave desenhada e joga contra o computador, que também possui cartas. O objetivo principal é descobrir quais cartas o adversário possui, através de perguntas sobre as características das aves de cada carta. Este é um jogo interessante para aprender sobre a anatomia externa das aves.

 

desafio das avesDesafio das aves – é semelhante ao Supertrunfo, no qual você começa com várias cartas com as características das aves de um bioma brasileiro e joga contra o computador, escolhendo a categoria com a maior grandeza (maior área de vida, maior tempo de vida, etc) de seu leque de cartas. Este é um jogo muito bom para conhecer espécies que ocorrem nos biomas brasileiros e fixar melhor os conceitos matemáticos de tempo, área e comprimento.

 

jogo da migracaoJogo da Migração – neste jogo você deve ajudar um maçarico-de-papo-vermelho a migrar da tundra canadense à Terra do Fogo, no Hemisfério Sul. Jogo interessante para aprender como as aves migram.

 

aves do brasil

Aves do Brasil – este não é um jogo, e sim um banco de dados interativo com informações sobre 300 espécies de aves brasileiras e seus respectivos cantos.

Jogos – Tipos sanguíneos


>> No site oficial do prêmio Nobel descobri um jogo muito bom para aprendermos a identificar os tipos sanguíneos do Sistema ABO: ele começa quando os médicos resgatam 3 pessoas que sofreram acidente de carro e precisam de transfusão sanguínea. No hospital, você precisa testar o sangue destes pacientes para descobrir qual bolsa de transfusão cada um pode receber (cuidado para não errar, porque a enfermeira fica realmente brava com você, rs!).

Este jogo roda em qualquer navegador, necessita de conexão com a internet e está em inglês, mas é bem fácil de entender. Além disso, quando você ganha o jogo, os pacientes que você ajuda fazem uma festa para comemorar seu sucesso nas transfusões (adorei isso!):

http://www.nobelprize.org/educational/medicine/landsteiner/landsteiner.html

>> Outro jogo muito bom sobre os tipos sanguíneos foi desenvolvido por Valadares & Resende (2009) e está em português. Baixe-o aqui e monte você mesmo os dados, peões, tabela e tabuleiro.

>> O portal Ponto Ciência também desenvolveu um jogo de tabuleiro dos tipos sanguíneos. Baixe-o aqui e monte as peças para jogar.

>> O departamento de Informática da Universidade de Santa Maria fez um jogo do tipo “Detetive”, no qual você lê as dicas de cada pessoa que aparece na tela e faz anotações em um caderno virtual para determinar os possíveis doadores para o paciente que você está ajudando. Este jogo só roda on-line, em qualquer navegador: http://www-usr.inf.ufsm.br/~rose/rived/objeto2g1/bio1ativ2.swf

>> No Portal do Professor há uma sugestão de aula prática sobre os cruzamentos entre os grupos sanguíneos, com a montagem de um mural: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=1666

Notícia – Rato imune ao câncer


https://i1.wp.com/cdn2.arkive.org/media/C3/C3349280-D456-4974-B1E4-E77DE8A0F99F/Presentation.Large/Naked-mole-rat-queen-and-young-handheld.jpg

O rato-toupeira-pelado (Heterocephalus glaber) é um roedor encontrado, principalmente, em alguns países africanos (não ocorre no Brasil). Como seu nome sugere, ele possui pouquíssimos ou nenhum pelo no corpo e vive em galerias (túneis) que escava no subsolo. Nestes túneis, o H. glaber vive em colônias parecidíssimas com as de insetos: somente uma fêmea rainha se reproduz e copula periodicamente com alguns machos de sua escolha (de 1 a 3) e os demais integrantes da colônia, tanto machos quanto fêmeas, cuidam dos filhotes, da rainha, buscam alimento, defendem os túneis e expandem as galerias subterrâneas:

Esses animais podem viver até 30 anos (um rato comum do mesmo tamanho deles vive, em média, 4 anos) e os efeitos do envelhecimento, como perda de massa óssea, parecem não afetá-los. Além disso, praticamente não sentem dor e possuem a pele muito elástica.

Há alguns anos os cientistas descobriram que os ratos-toupeira-pelados não contraem nenhum tipo de câncer, mas não conseguiram identificar ao certo o que eles têm de diferente dos outros mamíferos que lhes dão essa capacidade. No entanto, em um estudo publicado em  junho deste ano na Nature, cientistas de universidades americanas, israelenses e chinesas descobriram que os ratos-toupeira-pelados produzem uma grande quantidade de ácido hialurônico na pele. Este ácido, também produzido por nós e os outros mamíferos, possui várias funções, dentre elas, “compor a matriz extracelular, mantendo as células dos tecidos unidas, e controlar o crescimento de determinadas células”, de acordo com o professor Andrei Seluanov, coautor da pesquisa (fonte).

Segundo o estudo, a grande quantidade de ácido hialurônico secretada pelos fibroblastos (células do tecido conjuntivo que produzem substâncias que dão elasticidade aos tecidos) torna a pele dos ratos-toupeira-pelados muito flexível e resistente, características importantíssimas para que eles passem com mais facilidade pelos túneis estreitos em que vivem. Mas, como num grande golpe de sorte, a alta concentração de ácido hialurônico na pele desses ratos também torna-os imunes a qualquer tipo de câncer!

https://i0.wp.com/cdn2.arkive.org/media/97/97739A52-D9C4-4E75-BFD8-98D3C7C2DE15/Presentation.Large/Naked-mole-rat-using-teeth-to-dig.jpg

Os cânceres nada mais são do que o crescimento descontrolado de células em um organismo. Ao controlar o crescimento das células o ácido hialurônico, indiretamente, acaba impedindo o desenvolvimento dos cânceres o que, de acordo com os autores do estudo, contribui para a anormal longevidade dos ratos-toupeira-pelados.

Os autores esperam que esta descoberta “abra novos horizontes” para a prevenção dos cânceres e do aumento da expetativa de vida humana.

 

Referências:

Tian et al (2013). High-molecular-mass hyaluronan mediates the cancer resistance of the naked mole rat. [Baixe este artigo aqui, em inglês].

http://www.livescience.com/37555-cancer-resistance-naked-mole-rats.html

Notícia – Sêmen torna o HIV mais potente


Sêmen torna o HIV mais potente

Um peptídeo transporta o vírus por entre as células das mucosas, aumentando a possibilidade de contaminação em até 100.000 vezes

Por Nikhil Swaminathan

(Retirado de: http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/semen_torna_o_hiv_mais_potente.html)

Espermatozoides ao microscópio eletrônico. Fonte: http://www.upf.br/comarte/wp-content/uploads/2012/11/espermatozoides.jpg

Mais de 80% das infecções por vírus da imunodeficiência humana (HIV) são transmitidas por relação sexual, e tudo indica que os pesquisadores podem ter descoberto pelo menos uma razão que explique esse fato. De acordo com um novo estudo publicado na Cell, um componente do sêmen humano pode facilitar a dispersão do vírus ao ter como alvo as células do sistema imunológico, em alguns casos tornando o patógeno até 100.000 vezes mais virulento.

A equipe de cientistas alemães havia decidido, inicialmente, determinar se o sêmen continha fatores que inibem a infecção por HIV. “Não estávamos esperando encontrar um potencializador e nos surpreendemos ainda mais com a sua intensidade“, disse o co-autor do relatório Frank Kirchhoff, virologista da Clínica da Universidade de Ulm, Alemanha. “A maioria dos potencializadores provoca um efeito duas ou três vezes maior, mas, neste caso, o efeito é incrível – mais que 50 vezes e, sob certas condições, mais de 100.000 vezes.”

O HIV, vírus responsável pela AIDS, já infectou 60 milhões de pessoas em todo o mundo (causando 25 milhões de mortes), desde sua descoberta em humanos em 1981. A taxa de transmissão por relação sexual intravaginal é estimada em uma a cada 200 a 2.000 atos sexuais. Na África, 60% das novas infecções são em mulheres que fizeram sexo com homens HIV-positivos.

Kirchhoff e sua equipe estudaram muitas das 900 proteínas encontradas no fluido seminal em sua busca de potenciais inibidores e potencializadores da transmissão do HIV. Entre os fatores promotores descobertos estavam fragmentos de uma proteína chamada fosfatase ácida prostática, secretada pela próstata. Uma análise da estrutura do peptídeo no sêmen indicou que ele se liga a fragmentos similares para criar fibras amilóides (aglomerados de fragmentos de proteína que também estão envolvidos em doenças como o Mal de Alzheimer). Os cientistas se referem às fibras amilóides como “potencializadores de infecção viral derivado do sêmen” (SEVI, na sigla em inglês). Se eles não se ligam para se tornarem fibras, informam os pesquisadores, os segmentos de peptídeo permanecem inativos e não potencializam a transmissão viral.

No entanto, uma vez unidas, as fibras agem como meio de transporte, aprisionando e carregando as partículas do vírus HIV para as células-alvo. Os pesquisadores descobriram que o HIV presente no sêmen é mais bem-sucedido que o vírus sozinho na infecção de células T e de macrófagos (células do sistema imunológico que possivelmente são os alvos iniciais da infecção no corpo). Eles também testaram a quantidade limite de vírus necessários para infectar as células da amídala humana, observando que, na presença do sêmen, um número bem menor de partículas de HIV foi necessário para a transmissão.

Os pesquisadores injetaram tanto vírus HIV normais quanto vírus tratados com SEVI na cauda de ratos que haviam recebido células do sistema imunológico humano. O HIV com componente do sêmen foi cinco vezes mais eficaz na transmissão do vírus. Em situações em que níveis baixos do vírus são transferidos – como durante a relação sexual –, disse Kirchhoff, o SEVI pode tornar a probabilidade de disseminação do HIV 100.000 vezes maior quando comparada à do vírus sozinho.

No editorial que acompanha o artigo, a colega pós-doutorada Nadia Roan, em conjunto com Warner Greene, pesquisador sênior do Gladstone Institute of Virology and Immunology de São Francisco, na University of California, , escreveu: “Se o SEVI de fato aumenta em muitas vezes a disseminação heterossexual do HIV no mundo em geral, então é concebível dizer que combater a força desse fator poderia diminuir essas freqüências a níveis que podem praticamente eliminar a transmissão do HIV induzida pelo sêmen.”

Mas outros afirmam que mais pesquisas são necessárias para compreender plenamente o papel da fosfatase ácida prostática na transmissão viral. “Não acho que seja possível fazer qualquer interpretação sobre essa experiência, apenas que a substância torna o vírus mais contagioso se alcançar as células-alvo… sendo que é muito difícil atravessar as superfícies da mucosa”, afirma Robin Shattock, professor de infecção celular e molecular na St George\\`s University of London. A opinião é compartilhada por Myron Cohen, epidemiologista do Centro de Doenças Infecciosas da Escola de Medicina da University of North Carolina em Chapel Hill: “Precisamos entender cada detalhe sobre a biologia da transmissão do HIV…; o lógico a ser feito em seguida em termos de experiências é demonstrar em modelos de macacos reso que essa substância tem uma função na transmissão.”

Aulas do dia 21/06/2013 (sexta)


8A

– Correção do exercício sobre o hemograma (clique aqui para baixá-lo).

 

8C

– Continuação da correção do exercício sobre tipos sanguíneos (clique aqui para baixá-lo).

 

7D

– Correção dos exercícios da página 167.

Escola de Ciências

Um blog de apoio às aulas de Ciências do Ensino Fundamental (3º ciclo)

Whatever works!

Educação e Tecnologia: o dia a dia de uma PAPE iniciante...

Esquadrão do Conhecimento

A dúvida não passa por aqui.

Not Exactly Rocket Science

Science for everyone

Wild Muse

Meandering musings about the natural world: ecology, wildlife, and our environment. And books! LOTS of books!

Museu Natural do Mangue

Blog do Museu do Mangue

aprendizesdaciencia

blog dos educadores que aprendem ciência

gabrielrbrunoabioifes

Just another WordPress.com site

Aventurmaxciencia's Blog

Just another WordPress.com weblog

CIENCIAS NO SECULO XXI

Ensinar ciências no século XXI é um desafio cotidiano. Motivar os alunos e tornar as aulas atraentes é uma tarefa que tentaremos facilitar por meio deste blog, com atividades, textos, sugestões de experiências, filmes, atualidades. Enfim, tornar a tarefa de ensinar ainda mais prazerosa, é o nosso desejo.

Blogs de Ciência

Blogs de Ciência - Divulgação de todos os blogs em Português que versam a ciência. Parte do Projecto Divulgar a Ciência(.com)

blog do pontociência

Um blog de apoio às aulas de Ciências do Ensino Fundamental (3º ciclo)

%d blogueiros gostam disto: